Autor: Carlos Santiago
Gabriela Sou da Paz
Diga não à impunidade
Blog Blog   |   Fale Conosco Fale Conosco   |   Cadastro Cadastro   |   Depoimento Depoimento
 
 
 
Você está em: Inicial > memorial > perfil.php

Ludmila Maria Fernandes Fragoso (Assassinato)



 


Participe Participe cadastrando seu caso de impunidade.

Aviso O Movimento Gabriela Sou da Paz não se responsabiliza pela exatidão e veracidade das informações contribuidas voluntariamente abaixo.


Data do Ocorrido: 04/08/2006

Localização: Rio de Janeiro (RJ)

Data de Falecimento: 04/08/2006

Sexo: Feminino Feminino
 

Ludmila Maria Fernandes Fragoso A policial civil foi morta depois de ser torturada em 04/08/2006, no distrito de Piabetá, em Magé.

Segundo a família, a policial Ludmila Fernandes sofria ameaças constantes as quais a ouvidoria da Policia Militar do Rio de Janeiro não considerou. Lembram ainda os últimos instantes da policial que deixou a mãe em casa e estava radiante para voltar para casa a fim de comemorar a tão esperada "Lua-de-mel" na casa nova. Porém, a caminho de casa enfretou um engarrafamento onde teve o último contato com a mãe ao pedir que verificasse os motivos do engarrafamento. Depois não retornou as ligações e foi encontrada em 04/08/2006 carbonizada.

O IML reconheceu Ludmila Fernandes pela placenta conservada que confirmava a gravidez  de 1 mês e constataram que a vítima foi torturada antes de ser queimada.

Rogério Firmino dos Santos confessou aos policiais sua participação no crime. Com ele, foi apreendida uma espingarda calibre 20, 46 papelotes de cocaína e um tablete de maconha. Ele foi preso em uma casa na esquina das ruas Nilo Peçanha com 14 de Julho, na comunidade do Sapê, em Imbariê, Duque de Caxias, a 300 metros do local onde os restos de Ludmila foram encontrados. O preso foi encaminhado para a 62ª DP (Imbariê) e a prisão provisória de Rogério foi solicitada.

Atualmente, a mãe de Ludmila Fernandes, Zoraíde Fernandes, continua a campanha pela paz e justiça no Rio de Janeiro.

 


Ludmila Maria Fernandes, 24 anos, foi torturada e morta por ser identificada como policial durante patrulha na Av. Brasil - RJ, em 04/08/2006.

O IML reconheceu Ludmila Fernandes pela placenta conservada que confirmava a gravidez  de 1 mês e constataram que a vítima foi torturada antes de ser queimada.

Atualmente, a mãe de Ludmila Fernandes, Zoraíde Fernandes, continua a campanha pela paz e justiça no Rio de Janeiro.



Não será publicado.




Desejo Receber Informativos (não enviamos SPAM)





Erica Almeida Marques Géssica Guedes Pereira Rhian Henrique dos Santos Cuellar Ana Beatriz Barreto Andressa Holz Daniela Cristina Costa Nery Luís Antonio Nunes Aceto Adelson Loiola da Silva Vinicius Maia Carvalho Rodrigo Junior Mendes Cassiano Moreira da Silva Mário Sérgio Gabardo Márcio Gustavo de Camargo Mário dos Santos Sampaio Ana Luíza Santos Grace Kelly da Silva Amanda Glívia Vale Matthwes Eric Jones Caíque Müller de Oliveira Santana Kameko Assato Nakamatsu Karina Carvalho Leite
 
Blogger   Youtube   Facebook   Twitter   RSS